cerveja dos reis amsterdam Brouwerij ’t IJ

#33 – Amsterdam – Brouwerij ’t IJ

Um pouco distante do centro de Amsterdam está a bela Cervejaria do Moinho, tradução desse complicado nome do título. Como eram os primeiros dias na Holanda, ainda estávamos sofrendo muito para conseguir pronunciar minimamente bem algumas palavras, e tomou um certo tempo até que entendêssemos que o IJ tem som de “é”, e assim descobrimos que Brouwerij ’t IJ é mais ou menos “Braueré Té”. 

cerveja dos reis amsterdam Brouwerij’t IJ

A cervejaria fica em um grande moinho à beira de um canal, em um bairro residencial a cerca de 5 km do centro da cidade. Depois da Heineken Experience, é provavelmente a cervejaria mais visitada na cidade. Chegamos lá em um domingo à tarde, por volta de 16 horas, acreditando que o movimento do almoço já teria passado e a cervejaria estaria mais vazia, entretanto a parte externa estava lotada, com algumas pessoas esperando vagar mesa, outros bebendo chope na beira do canal. Demos uma olhada na parte de dentro e resolvemos sentar no balcão mesmo, perto da área de produção de cerveja, que fica visível, porém fechada por um vidro.

cerveja dos reis amsterdam Brouwerij t IJ 9.jpg

cerveja dos reis amsterdam Brouwerij t IJ 9.jpg

cerveja dos reis amsterdam Brouwerij t IJ 9.jpg

cerveja dos reis amsterdam Brouwerij’t IJ

A casa oferece 10 opções de chope e algumas cervejas de edições especiais em garrafa (geralmente as mais fortes). Por aqui já notamos uma certa influência norte-americana, sobretudo no uso de lúpulos do “novo mundo” que conferem um aroma mais cítrico à cerveja. Segue uma breve avaliação do que experimentamos lá:

Pilsen: dourada, clara, dulçor e amargor bem equilibrados. Cerveja bem convencional e facinha de beber.

IJ wit: uma witbier mais alaranjada do que branca, lembrando as cervejas de trigo do sul da Alemanha, e com muita semente de coentro. Os primeiros goles são tranquilos, mas depois o excesso de condimento fica enjoativo.

Fonteyn wit: outra wit da casa, feita especialmente para ser a cerveja de verão do Café Fonteyn. Aqui o destaque é o uso de lúpulo Amarillo norte-americano, que deixa a cerveja bem frutada e cítrica, lembrando casca de laranja, melão, maracujá. Muito boa.

Zatte (tripel): a primeira receita da casa, produzida desde a década de 80. É dourada, um pouco turva, frutada e condimentada, com corpo médio, bem cremosa e equilibrada, apesar do teor alcoólico.

Natte (dubbel): a melhor cerveja que experimentamos. É marrom acobreada, tem bastante complexidade de aroma e sabor (caramelo, ameixa, banana passa e chocolate), corpo médio e amargor de lúpulo bem equilibrado com o dulçor de malte. À medida que vai esquentando no copo, vai ficando ainda mais saborosa.

cerveja dos reis amsterdam Brouwerij’t IJ

cerveja dos reis amsterdam Brouwerij’t IJ

cerveja dos reis amsterdam Brouwerij’t IJ

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *