brasserie cantillon

#38 – Bruxelas – Brasserie de Cantillon

Brasserie de Cantillon: uma das cervejarias mais fantásticas do mundo.

Antes de falarmos sobre a cervejaria, vamos falar um pouco sobre as cervejas lambic. Geralmente, no mundo cervejeiro, costumamos falar que existem as lagers e as ales. Mas existem também algumas cervejas muito raras produzidas com um processo de fermentação espontânea. Isso significa que elas não recebem um inóculo específico de leveduras – elas já estão no ambiente e realizam todo o trabalho fermentativo. Cervejas produzidas dessa forma são chamadas de “Lambic”, sendo restritas à região de Bruxelas. Em outras partes do mundo, essas cervejas recebem o nome genérico de “sour” (ou cervejas ácidas), o que não é exatamente a mesma coisa. No processo de fabricação de uma lambic, o mosto cervejeiro é “contaminado” por uma série de microorganismos presentes no ambiente da cervejaria (levedura cervejeira, levedura selvagem, bactérias láticas, bactérias acéticas entre outros). Todo o processo de fermentação dura mais de ano em grandes toneis de madeira. Ao final, a cerveja é filtrada e recebe os ajustes necessários para chegar ao mercado. Algumas levam frutas processadas, como cereja e framboesa. Outras recebem uma adição de açúcar sintético para corrigir a acidez. Existe ainda a possibilidade de blendar uma lambic antiga com uma mais jovem para equilibrá-la. Dizer se essa cerveja é boa ou ruim é subjetivo, o fato é que são cervejas únicas, primitivas, selvagens. Estiveram à beira da extinção, atendendo apenas o tradicional comércio local, mas o “boom” do mercado de cervejas artesanais fez com que elas voltassem com tudo. Como não há produção suficiente para atender à demanda, são cervejas difíceis de serem encontradas fora da Bélgica e uma garrafa pode custar de 15 a 30 Euros, o mesmo que um bom vinho.

brasserie cantillon

——

Saindo do centro turístico de Bruxelas e andando apenas 15 minutos por uma região mais residencial e comercial, conhecemos uma outra cidade: cafés baratos, imigrantes, comércios sem nenhum tipo de glamour – na verdade, nada que cause estranhamento a um brasileiro que viva em uma cidade grande. 

E assim, caminhando por essa paisagem urbana bastante familiar, chegamos ao museu da Cantillon, próximo a uma grande praça com prédios em volta. Até então, nada indicava que havíamos chegado lá… era o momento da sesta, portas fechadas e os funcionários estavam do lado de fora tomando preguiçosamente uma garrafa de uma das cervejas mais cobiçadas do mundo. Percebendo nossa hesitação, indicaram que o museu estava aberto e que a visita custava 7 euros. Passando pela porta, foi como se tivéssemos entrando em um universo paralelo.

brasserie cantillon

Uma senhora bastante simpática nos recebeu e informou que não havia guia, bastava seguir as orientações escritas nas paredes e que nós terminaríamos o passeio no mesmo lugar onde começava, com direito à degustação de duas taças de cerveja. Tudo chama muito a atenção, a começar pelo cheiro da cervejaria – uma mistura de mofo, madeira, fermentação, frutas e coisas azedas. No aspecto visual, fungo e teia de aranha para todo lado, como se fosse uma casa abandonada. 

brasserie cantillon

brasserie cantillon

brasserie cantillon

brasserie cantillon

brasserie cantillon

brasserie cantillon

 

O equipamento é bastante antigo e muito complicado de ser operado, funcionando em sentido anti-gravitacional: mosturação no 1º piso, fervura no 2º piso, resfriamento no 3º piso. A explicação para isso é muito lógica: numa época em que não havia sistema de refrigeração, o resfriamento do mosto deveria ser feito na parte mais fria da casa, que, no caso, era o sótão. Era nesse momento que começava o processo de fermentação espontânea, com fungos e bactérias presentes no ambiente. Essa fermentação espontânea continuava nos barris de madeira para onde o mosto era transferido depois de resfriado durante a noite. Boa parte dos barris encontra-se também no 3º pavimento. Como a cervejaria é bastante pequena, todo o percurso não dura muito mais do que 30 minutos. Ao final, voltamos para a recepção, onde pudemos provar, junto com aficcionados de todos os cantos do mundo, algumas das preciosidades produzidas pela Cantillon.

 

brasserie cantillon

brasserie cantillon

Lambic com 18 meses de fermentação, direta do tonel: dourada, limpa, sem gás. Aromas de frutas passadas (abacaxi, pêssego), feno, couro, típico de fermentação selvagem. Bastante seca, ácida e frutada, lembrando uma cidra de maça.

Kriek Lambic (lambic com cereja): rosado intenso, espuma vigorosa, lembrando espumante, aroma forte de cereja, que aparece também no sabor. Na boca, uma mistura fantástica de acidez, dulçor e sal. É usada uma quantidade de 150 kg de cereja para 500L de lambic, que matura por 6 meses após a adição da fruta.

Gueuze: um blend de uma lambic de 3 anos com uma de 1 ou 2 anos de fermentação, a depender da avaliação do mostre cervejeiro e do afinador de lambic. É dourada, limpa, efervescente.  Aromas frutados (abacaxi, maça, pera) e selvagens bem equilibrados. Corpo leve, frisante, acidez muito equilibrada e gosto levemente frutado. Na minha opinião, tão complexa e especial quanto um bom Champagne. 

Cuvée Saint Gilloise: lambic de 2 anos de idade, com adição a frio (dry hopping) de lúpulo alemão fresco, da variedade Hallertauer Mittelfrüh, que confere uma aroma floral incrível à cerveja. Segundo o cervejeiro, a flor de lúpulo fica em infusão por 2 ou 3 dias, depois ela é imediatamente filtrada e envasada.

Lambic Haute Densité (9% ABV): fermentada por 51 meses, tem coloração âmbar, limpa, quase sem espuma, com aroma de madeira e frutas vermelhas, lembrando um vinho do porto. Na boca, baixo dulçor, acidez equilibrada e um gosto frutado delicioso. Sansacional!

Carignan 2016: para fechar, aceitamos a sugestão do cervejeiro e pedimos uma Lambic de 3 anos com adição uva carignan. Rosado intenso, cheiro de uva, madeira e fermentação selvagem. Na boca, leve adstringência do tanino da uva, acidez mais destacada e gosto de frutas vermelhas. Muito complexa e perfeita para fechar a tarde.

brasserie cantillon

 

brasserie cantillon

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *